A nova economia, Marcelo Maisonnave

Compartilhar conhecimento e discutir experiências é um importante caminho para se alcançar uma evolução conjunta do setor. No I Seminário Executivo do ano a SUCESU-RS debateu a Transformação Digital vivida pelas empresas, bem como as novas formas de se pensar e fazer negócios. Entre as palestras do evento esteve a temática “A Nova Economia”, ministrada por Marcelo Maisonnave, da StartSe.

Marcelo trouxe uma mescla de suas experiências profissionais e pessoais, que combinaram-se na construção de sua visão dos rumos que a tecnologia vem tomando. Ele foi fundador da XP Investimentos, que nasceu em Porto Alegre e tomou proporções nacionais rapidamente. Há quatro anos Maisonnave deixou a empresa e partiu em uma experiência pessoal, morando fora do Brasil, com o objetivo de enriquecer ainda mais seu conhecimento.

Em Palo Alto teve contato com as empresas de garagem e viu o quanto de conhecimento existe sendo trabalhando em pequenos lugares, tendo como combustível apenas o ávido interesse de seus desenvolvedores. Esta visão fez com que Marcelo voltasse a ter interesse em startups, o que reflete-se na criação da StartSe.

“Não é só a Apple que faz diferença. Não é só o Google que faz diferença. O que aquela região atrai, as pessoas que moram lá acreditam em coisas diferentes. Elas acreditam que pode impactar o bairro, a cidade e, quem sabe, o mundo usando as combinações de tecnologias já existentes”, explicou ao destacar o que viu no Vale do Silício.

Marcelo também trouxe para os participantes algumas tecnologias que, de acordo com o que testemunhou, são as queridinhas do Vale e como elas afetaram o dia-a-dia dele em sua estadia nos Estados Unidos. A primeira delas é a inteligência artificial, seguida dos carros autônomos, robótica , energia solar, Blockchain e realidade virtual. “Essa é a combinação de tecnologia que o mundo precisa saber, que nós precisamos saber. As empresas precisam saber e os clientes das suas empresas também vão ser impactados por essas tecnologias”, destacou.

Ele também mostrou aplicações das tecnologias citadas anteriormente. Primeiramente destacou o poder dos smartphones e como esta força ainda é pouco utilizada. A tendência é que, com o tempo, muitos negócios possam nascer a partir das plataformas. “Nos negócios, atualmente, vemos experiências “seemless”, com aplicativos como Uber, iFood, Whatsapp, Waze, que geram aquele “uau” nos usuários ao oferecer coisas básicas. Estas reações estão apenas começando”, disse.

A segunda visão é no que diz respeito ao poder que estas ferramentas trazem ao consumidor, que através de uma conexão constante entre pessoas apresenta três efeitos marcantes: transparência, comparação e influência. Por fim, a terceira visão diz respeito a concorrência, já que as grandes empresas não sabem mais de onde o próximo grande player pode surgir.