Artigo: Emoções como base da Transformação Digital

A transformação digital tomou conta da sociedade. Todas as empresas abordam o tema: inovação. O que é inovação? Na minha visão inovação é entregar de forma diferente, algo já existente, que gere valor e seja simples. Quando analisamos os grandes exemplos mundiais, percebemos que o uso da tecnologia permitiu entregar de forma diferente, necessidades já existentes, gerando valor.

A tecnologia é a grande propulsora da transformação digital, mas será que de fato estamos entendendo as mudanças geradas no ecossistema? Quando olhamos para impressão 3D, carros autônomos e estudos do DNA, conseguimos visualizar as mudanças e os impactos econômicos em curso na cadeia produtiva existente?

Complementando esta abordagem, como as pessoas estão se sentindo em relação a isso? Grandes institutos de pesquisas afirmam que até 2030, 14% dos trabalhadores mundiais serão impactados em seus empregos por causa do uso da tecnologia.

Segundo Lent (2) as emoções possuem uma função fundamental à sobrevivência e caso não sejam usadas, dificilmente é possível sobreviver até a idade adulta e propagar os seus genes. Fugir ou lutar são aspectos emocionais, vinculados a funções biológicas que garantem a sobrevivência.

Respeitar e integrar os estilos emocionais em uma equipe é fator de sucesso que permite às empresas aumentar a produtividade e a satisfação no ambiente de trabalho. (4). Desta forma, não basta olhar um sorriso, o desafio é interpretá-lo e observar as reais emoções que se encontram ocultas sob o mesmo. (1). Pessoas com altos níveis de cortisol, impacientes e estressadas tendem a tornar o seu ambiente de trabalho mais tenso. (3).

Sendo assim, você já imaginou que a comunicação assertiva impacta em até 99% a produtividade das pessoas quando comparada a uma comunicação inadequada? Pessoas que recebem uma comunicação rude podem aumentar em 200% os níveis de raiva e 54% os níveis de estresse.

Concluindo a transformação digital não é a tecnologia, é proporcionarmos conexões, propósitos, engajamento de pessoas e, por meio desse engajamento começamos a entender novas possibilidades de gerar negócios. A transformação será feita por pessoas respeitadas emocionalmente, as quais percebem valor em seu propósito.

Referências Bibliográficas

  • EKMAN, Paul. A linguagem das emoções: revolucione a sua comunicação e seus relacionamentos reconhecendo as expressões das pessoas ao redor. São Paulo: Lua de Papel, 2011.
  • LENT, Roberto. Neurociência da mente e do comportamento. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2015.
  • PERUZZO, Marcelo. As três mentes do neuromarketing. Rio de Janeiro: Alta Books, 2015.
  • VICKBERG, Suzanne M. Johnson; CHRISTFORT, Kim. Pioneiros, condutores, conciliadores e guardiões: todas as equipes contêm uma mistura desses tipos de personalidade. Saiba como extrair o melhor de qualquer combinação. Harvard Business Review Brasil, v. 95, n. 3, p. 2633, mar. 2017.

Artigo por: Marcelo Prauchner Duarte, Professor, Consultor e Palestrante