Cases mostram desafios da computação positiva

paqueta positivo

Dois cases alinhados ao conceito de computação positiva foram destaque nas apresentações do GUDay, mostrando o desafio de empresas como Agiplan e Paquetá de inovar para trazer uma melhor experiência ao cliente, sem deixar de lado a redução de custos, fundamental em projetos de TI.

Cristiano Silveira, Gerente de infraestrutura da Agiplan, trouxe o case da parceira com a Positivo, patrocinadora do GUDay. O projeto consistiu na expansão da área de atendimento (cobrança e SAC) da Agiplan, em que a necessidade era colocar, em tempo recorde, 300 posições de trabalho com autossuficiência de energia. A Positivo entrou nessa parceira com a solução de um desktop com bateria, trazendo padronização, autossuficiência e economia de nobreaks e gerador. “Estamos fechando dois meses e meio de operação com sucesso, inclusive com incidentes de energia elétrica, o que comprovou a eficiência da solução”, contou Cristiano.

O case da Paquetá foi trazido pelo Grupo de Usuários Management IT – GUMIT e apresentado pelo CIO da empresa, Jorge Nitschke. A partir do conceito de digital humanism, do Gartner, a rede está utilizando uma nova abordagem em duas lojas – uma em Porto Alegre e uma no Rio de Janeiro – em que toda a compra do cliente é feita pelo vendedor, por meio de um dispositivo móvel (tablet), sem necessidade de passar pelo caixa. “Como toda a inovação a experiência vem trazendo muitos aprendizados, mas é positiva. Um dos desafios é ajustar o investimento, que ainda é maior em relação ao uma loja convencional”, disse Jorge.