Painel CIO: observar e ouvir também é TI

painelO Seminário Executivo SUCESU-RS abriu os trabalhos reunindo CIOs para debater o tema do evento – Computação Positiva – e como isso vem sendo visto e aplicado pelas empresas. O Painel, patrocinado pela Digital Business, foi mediado por Alexandre Blauth, do Gartner. Mudança de cultura empresarial, foco em observar e ouvir as pessoas – funcionários e clientes – e como atender melhor, foram alguns dos assuntos trazidos para o debate. Para Blauth, o foco está nas pessoas e na capacidade de ouvir e observar as necessidades. “Nem sempre as pessoas tem as respostas e muito vem da observação. O desafio para nós, como gestores, é como fazer para que na pressão do dia a dia a gente consiga ter tempo de olhar cada um como individuo e consumidor”, afirmou.

Para Daniel Westerlund, CIO da Miolo e Presidente do GTISerra, a tecnologia não pode interferir no trabalho do dia a dia, ela deve ajudar. “Na Miolo, a gente respira o cliente.  Assim, as pessoas trabalham mais engajadas por ver o retorno da felicidade dos clientes. Estamos investindo muito nessa área para atrair o cliente a não mais ir busca-lo, ou seja, fazer ele vir por conta própria, pois isso vai tornar ele fiel”, avaliou. Fernando Ferreira, CIO da Toniolo,Busnello e Presidente do GUCIO-RS, a interação com as áreas é parte fundamental para gestor de TI. “O que eu tenho trabalhado com meu time é o como. Se o usuário pediu algo, como vamos atendê-lo melhor? E nisso, ouvir e observar é muito importante”, afirmou.

Claudio Luis Franz, da IMED, de Passo Fundo, e Presidente do GTISul, refletiu sobre o que fazer para tornar produtos e serviços mais perenes, para que o usuário não sinta apenas o prazer do impulso e sim, integrante do processo. “Não é um assunto novo, mas uma discussão que já devíamos ter começado há muito anos. São questionamentos que servem para todos”, disse. No centro de todos os desafios dos CIOs está a mudança de cultura empresarial. Foi o que destacou Ricardo Cardoso Abel, da DigitalBusiness. “Esse é o grande desafio dos gestores, como fazer uma computação mais assertiva. Se a pessoa se sentir dona do projeto ela vai estar engajada e esse é o segredo do sucesso”.