Seminário: Patrocinadores Gold trazem soluções da infraestrutura ao cloud

Planejamento, otimização, cloud computing, aplicações e TI do futuro foram os temas abordados pelos Patrocinadores Gold do Seminário SUCESU-RS em Caxias do Sul. Além de conteúdo técnico qualificado, os representantes dos fornecedores apresentaram cases e informações relevantes para a tomada de decisão dos CIOs no momento de escolha de seus parceiros de tecnologia.

“Otimização de Energia em Datacenter no Cenário Atual” foi o tema de Marcio Bender, da Netsul, empresa focada na infraestrutura de TI em todos os segmentos, com 23 anos de expertise, R$ 80 milhões de faturamento em 2014 e mais de 70 colaboradores.  Marcio apresentou cenários em relação ao gasto energia dos data centers e uma solução que promove a maior economia. “O custo de energia do Brasil é hoje um dos maiores e 66% da nossa energia é baseado em hidroelétrica, o que por um lado é bom, mas é um recurso não linear e os recursos das outras formas não suprem a necessidade” explicou.

A Stefaninni trouxe o tema “Planejamento e Eficiência Operacional para Racionalização de Custos”. Nelson Duarte Soares falou de desafios dos CIOs como entregar valor, demostrar ROI; gerenciar segurança da informação e complexidade de infraestrutura de TI; executar mudanças com agilidade e qualidade; preservar conhecimento e motivar as pessoas. “O CIO tem na porta da sua sala uma fila de fornecedores dizendo que têm soluções prontas. Mas é preciso entender o problema na sua essência e então usar pessoas, processos, tecnologia e serviços de forma consciente. Estudar o modelo de negócio da empresa, a metodologia para aquisição de sistemas e o modelo de TIC da organização, depois a infraestrutura e como ela faz a gestão do ambiente e da segurança da informação, além de ver como isso tudo esta documentado. Esse é o caminho”, afirmou.

Marcelo Castro, da Iway, falou de “Desenvolvimento de Software em Cloud: Perspectivas do CIO” e focou em dois serviços da empresa: software para nuvem e mobile analitycs (BI para mobile). Segundo pesquisa da IT Mídia apresentada por ele, 70% dos CIOs querem se dedicar mais ao negócio e para isso precisam de tempo. “Uma coisa que cloud vai entregar para vocês é tempo. O tempo muda absurdamente quando você começa suas aplicações em cloud”, disse, completando que a nuvem vai trazer ainda escalabilidade, recursos, velocidade e melhorar a experiência dos usuários, que é o que vai determinar o sucesso. A Iway atua nas áreas de consultoria, gestão de projetos, processos, desenvolvimento de software, fábrica e outsourcing.

“Revolucionando a Segurança Corporativa com Foco nas Aplicações” foi assunto abordado por Fabrício Brasileiro, da Palo Alto Networks. De acordo com Fabrício, a aplicação muda qualquer negócio e aproximar a tecnologia das mãos das pessoas faz a gente ver que tem que mudar. Ele citou exemplos de grandes empresas mundiais como Uber, Facebook e Alibaba. “As maiores empresas de verticais do mundo hoje são empresas de software. A Uber não tem nenhum taxi, o Facebook não detém informação. São empresas de aplicações”, disse.  A Palo Alto Networks tem 23 mil clientes no mundo e cerca de 380 no Brasil, com faturamento mundial de US$ 600 milhões e nacional de cerca de US$ 18 milhões. No sul do Brasil, atende especialmente clientes nas áreas de finanças e educação. A empresa cresceu 293% no último ano, segundo dados do IDC.

Você consegue, ao final de um ano, dizer que priorizou os projetos que realmente eram importantes? Consegue medir o retorno de investimento e indicar o quanto essas iniciativas melhoraram os fluxos da empresa? Assim Rafael Stecanella de Oliveira, da Pelissari, abriu sua palestra “Quantificação de Benefícios Alinhado a TI do Futuro”. Para ele, esses desafios têm um ponto importante: “o beneficio só vai surgir se eu conseguir utilizar a TI de forma plena”. Rafael apresentou ainda conceitos de arquitetura empresarial e como trazer o negócio para dentro da TI e conseguir que essa relação seja natural. A Pelissari tem 16 anos e está com escritório na serra gaúcha desde 2011.