Patrocinadores Platinum trouxeram desafios da computação positiva

Entre os dias 8 e 11 de setembro, a cidade de Gramado recebeu o 2º Seminário Executivo Sucesu-RS, que teve como tema “Computação Positiva – Tecnologia a favor do potencial humano”. A programação do evento contou com diversas palestras ministradas pelos patrocinadores Platinum.

Paulo Theophilo, Diretor de Marketing da Simpress, ministrou a palestra “A grande inovação em soluções de impressão”. O objetivo foi fazer uma apresentação institucional da companhia, seus ideais e o que ela pode oferecer para um futuro negócio. A Simpress é voltada para outsourcing de impressão, já atua no mercado brasileiro há 15 anos e em 2015 foi adquirida pela Samsung.

Lisandro Silva, da Palo Alto/Westcon, apresentou aspectos da gestão de riscos na nuvem. Em sua fala, Silva exemplificou uma linha comum de incidentes relacionados à perda de dados, além de desafios que a segurança me nuvem apresenta, como a visibilidade limitada.

Vinicius Bortoloni, da Sentinela/Check Point, trouxe a palestra “Um passo a frente das ameaças digitais”. Bortolni abordou a ideia de que o cenário de ameaças cibernéticas está evoluindo casa vez mais rapidamente. “Tecnologias tradicionais não são suficientes para bloquearem os malwares modernos. Cuidado com a falsa sensação de segurança”, destacou.

“Transformando TI para a economia das ideias” foi a palestra ministrada pelo vice-presidente da área de enterprise group do Brasil da Hewlett Packard Enterprise, Ricardo Brognoli. Brognoli propôs novas jornadas para os negócios baseadas em novas oportunidades de TI.

Felipe Carvalho Guimarães, representante de liderança comercial de soluções da IBM Watson no Brasil, apresentou a palestra “Libere o poder analítico e cognitivo dos dados”. Em sua exposição , Felipe apresentou mais sobre o Watson, sistema cognitivo criado pela IBM e que aproxima-se do conceito de inteligência virtual.

Breno Barros, Head of Global Solution Center & Inovation da Stefanini, trouxe a palestra “Computação Positiva e Transformação Digital”. A ideia abordada por Barros é que, atualmente, o foco na transformação digital está nos negócios e não nas pessoas. “A tecnologia deve ser usada para suportar o bem estar psicológico e extrair emoções positivas das pessoas”, declarou.